Uma boa maneira de descansar

Oi, mãe! E aí? Está lembrando que você existe? Estranha essa pergunta, não é? Mas é isso mesmo! Com essa correria para trabalhar e atender a família não encontramos tempo para cuidar de nós mesmas! Ficamos sempre em segundo plano.

Mas é possível mudar isso e conciliar um tempo para a família e um tempo para você. Afinal, mãe, se estamos bem, as tarefas do dia a dia ficam mais fáceis de serem cumpridas. Veja a super dica que eu preparei.

Leitura

Leia livros de histórias!

Com os livros podemos nos desligar da realidade, viajar por outros lugares e outras culturas. Procure inserir a leitura na sua rotina. Mas nada de leitura sobre o trabalho, nem de autoajuda. Simplesmente um livro que conte histórias. Eu costumo deixar o meu no criado de cabeceira e leio pouco antes de dormir. Às vezes só consigo ler por dez minutos, pois o sono chega e não é possível competir com ele. Outros dias, se estou mais alerta, a leitura se prolonga um pouco mais. Leia! Não importa o número de páginas, o que vale é mergulhar no universo das histórias, pelo menos um pouquinho!

Selecionei alguns dos meus títulos preferidos. São livros que contam histórias interessantes e que podem lhe agradar.

Mande para mim seus títulos preferidos e assim vamos aumentar e compartilhar a nossa lista!

  • Os catadores de concha – Rosamunde Pilcher (peguei na biblioteca da escola dos meus filhos)

  • Tuareg – Alberto Vázquez Figueiroa (peguei emprestado com a minha irmã)

  • O Físico – Noah Gordon (peguei na biblioteca da escola dos meus filhos)

  • A Tenda Vermelha – Anita Diamant (ganhei de uma amiga)

  • Por parte de pai – Bartolomeu Campos Queirós (comprei em uma livraria)

  • A Madona de Cedro – Antonio Callado (comprei em um sebo)

  • Era uma vez Eu – Neusa Sorrenti (ganhei da minha irmã)

  • Uma aprendizagem ou o livro do prazeres – Clarice Lispector (da minha filha)

  • Ciranda de Pedra – Lygia Fagundes Telles (da minha filha)

  • Passaporte para a China – Lygia Fagundes Telles (da minha filha)

  • O Pequeno Príncipe – Antoine de Sant-Exupéry (ganhei quando tinha quinze anos)

    BOA LEITURA!

Os comentários foram encerrados, mas trackbacks e pingbacks estão abertos.