Como você pode melhorar o sono do seu filho (e o seu)

Uma noite mal dormida é difícil, mas dormir mal durante muitas noites seguidas pode ser insustentável. A má qualidade do sono traz consequências sérias. Falta de apetite, mau humor, cansaço e baixa no rendimento escolar são apenas alguns exemplos.

Para muitas famílias a hora de ir dormir se transformou em um momento de desgaste e conflitos. O filho só aceita dormir na cama da mãe e com a presença dela. Ele chora, faz birra e, cansada, a mãe acaba cedendo.

Você está passando por uma situação parecida e não sabe mais o que fazer?

É mais ou menos assim: chega a hora de ir dormir e seu filho só “pega no sono” na sua cama, junto com você. Todas as tentativas para que ele durma na sua própria cama tem sido em vão. Ele fica irritado, chora e, exausta, você cede. Somente mais tarde é possível levá-lo para a cama dele. Mas não acaba aqui.

Durante a madrugada, seu filho acorda e exige voltar para a sua cama. Essa situação se repete noite após noite e acaba trazendo conflitos para todos da família. Afinal, no outro dia todos estão cansados e precisam dar conta das atividades do dia.

O momento de ir dormir pede serenidade, tranquilidade e quietude. Isso só é possível se nos sentimos seguros para nos entregarmos ao sono. Essa segurança tem origem na maneira como a criança passou o dia. Tem a ver com a rotina.

Cada família se organiza como pode, mas é fundamental  que a criança tenha uma rotina estabelecida com uma sequência de atividades estável, que aconteçam mais ou menos nos mesmos horários.

Mudanças de plano, “quebra de rotina” e surpresas também são válidas, porque ensinam a criança a lidar com as adversidades e a ter estratégias para dar conta dos imprevistos. Mas isso deve ser a exceção e não a regra.

Mother and son lying down on bed

Veja os dois pontos que você precisa observar na rotina do seu filho para que ele tenha uma boa noite de sono:

1º ponto: Estabilidade – Todas as atividades da criança  devem seguir uma sequência e acontecer mais ou menos no mesmo horário. Tem o momento de acordar, de fazer as refeições, de brincar e de ir à escola, enfim, são muitos exemplos. A regularidade e a constância de tudo que a criança faz o dia inteiro trazem segurança para ela.

Ouço mães dizerem que quando o almoço atrasa e a criança está com sono, preferem improvisar a refeição do seu filho e colocá-lo para dormir, ao invés de manter a rotina combinada. Isso afasta a criança do convívio familiar e impede que ela construa a noção de estabilidade e previsibilidade do que vai acontecer no seu dia.

Lembre-se que uma rotina estável também é uma rotina previsível.

2º ponto: Previsibilidade – Saber o que vai acontecer desperta o sentimento de segurança e confiança na criança.

Quando eu tinha 6, 7 anos, todos os dias ia para a escola às 11:30. Esse foi o horário determinado pela minha mãe, para que não chegasse atrasada.

Depois do ritual de preparo, passava na casa do meu avô para me despedir. Lá tinha um pequeno relógio com o fundo branco que ficava pendurado na parede.

Eu passava por ele   e via  os ponteiros marcando 11:30. Ainda não sabia identificar as horas, mas sabia que era esse o horário de ir para a escola.

Era a melhor sensação do mundo saber que tudo estava dando certo, e que eu estava no meu horário. A previsibilidade, para mim, era um conforto enorme. Assim funciona com as crianças, elas precisam dessa segurança, dessa estabilidade.

Então, dê uma olhada na rotina do seu filho e mude o que for preciso mudar, ajuste o que  for preciso ajustar.

Ele confia em você, ele conta com você.

Ver o filho dormindo bem, se sentindo mais confiante, se entregando ao sono sem receios é um alívio, é uma tranquilidade para nós, mães.

Os comentários foram encerrados, mas trackbacks e pingbacks estão abertos.