Como mudar a alimentação do meu filho de uma vez por todas

O menino chegou na escola nos braços da mãe. Tinha 3 anos. Sua base alimentar era mamadeira com leite e achocolatado. A mãe pedia socorro, porque não sabia mais o que fazer. Tinha pavor do filho adoecer, não crescer, não sobreviver!

Você se identifica com essa mãe?

Seu filho não se alimenta bem. Ele não quer saber de legumes, verduras e frutas. E não é por falta de você oferecer. Uma grande ansiedade se instala e as refeições se transformam em conflitos intermináveis. No final, exausta, você se sente culpada e sem saber o que fazer. Saiba que a solução pode estar nas suas mãos.

Entre 1 e 2 anos, a criança começa a ter maior domínio do seu corpo e está encantada com o mundo à sua volta e com todas as descobertas que ela pode fazer. Brincar está em primeiro plano e comer deixou de ser interessante.  Esse é um comportamento próprio da idade.

bebê alimentação

No entanto, a brincadeira e a curiosidade não impedem a criança de aprender a ter gosto por alimentos saudáveis. Ela pode construir uma relação de amor com o que come e levar essa aprendizagem pela vida afora.

Diante dessa criança que deseja mais brincar do que comer, é preciso ter paciência. Ela precisa de tempo. Pais ansiosos podem reforçar a indiferença da criança pelos alimentos e as coisas podem piorar.

Mas como você pode ensinar seu filho a comer bem?

1- Calma! Esqueça a ansiedade e não seja insistente. Dê tempo para seu filho. Se ele não quer comer de jeito nenhum, não há problema algum em deixar a comida para mais tarde. Saiba que a ansiedade dos pais é a primeira causa da dificuldade da criança em comer bem.

2- Dê uma olhada na rotina do seu filho. Como estão os horários das refeições dele? Quem sabe ele não está de barriguinha cheia bem na hora do almoço? Se ele está comendo com frequência entre as refeições, isso significa que ele não terá fome nos horários em que deveria comer, como no almoço, por exemplo.

3- Criança não come como adulto. Então, lembre-se de oferecer pequenas porções. Se ele quiser, vai pedir mais.

4- Prefira alimentos caseiros e frutas da região em que vocês vivem. Além de mais saudáveis, são mais saborosos. Seu filho vai gostar.

5- Não disfarce. Ofereça os alimentos tais como eles são, sem disfarçar.  Seu filho tem o direito de saber o nome de cada alimento, sentir o sabor, a textura, o cheiro e a temperatura de cada um.

6- Inclua seu filho. Envolva seu filho, na medida do possível, na escolha e preparação dos alimentos. Mãe e filho juntos na cozinha pode render boas brincadeiras.

7- Faça refeições em família. Refeições em volta da mesa com a família reunida são  a melhor opção. Sem televisão, sem brinquedos. Além de ser um  momento para guardar boas lembranças, é também uma boa oportunidade para ensinar seu filho pelo exemplo.

Comer é prazer! Não podemos tirar isso da criança. Ela tem direito de experimentar, de conhecer os sabores de decidir do que gosta e do que não gosta e de levar isso pela vida afora. Para que seu filho aprenda isso ele precisa de você.

Alimentar o corpo é sagrado! Na nossa memória afetiva há muitas lembranças ligadas aos alimentos da infância. Então que seu filho tenha muitas lembranças boas e felizes do que ele aprendeu e viveu em família.

Os comentários foram encerrados, mas trackbacks e pingbacks estão abertos.